Marina Silva se reúne com Lula e deve anunciar apoio ao petista

Ex-presidente convidou sua ex-ministra do Meio Ambiente para conversar

O candidato do PT à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, se reuniu neste domingo com a sua ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva. Nesta segunda-feira, os dois farão um pronunciamento juntos em que Marina deve anunciar apoio ao petista.

A aliança com a ex-ministra é uma sinalização de Lula ao eleitor de centro. O apoio de Marina também pode ajudar o petista com os evangélicos, segmento em que o ex-presidente está atrás do presidente Jair Bolsonaro (PL). Marina é seguidora da Assembleia de Deus desde 1996.

Lula e Marina ensaiavam uma reaproximação desde o começo do ano. Em uma publicação no Twitter neste domingo, o ex-presidente fez questão de ressaltar que o convite para a reunião partiu dele. Também destacou que recebeu de Marina propostas para “um Brasil mais sustentável”. A ex-ministra vinha dizendo que a definição sobre o seu posicionamento na eleição presidencial dependeria de uma discussão programática.

Também no Twitter, Marina afirmou que “foi uma boa e necessária conversa” e ressaltou que pôde apresentar propostas para “um Brasil mais justo e sustentável”.

A conversa aconteceu no escritório da campanha de Lula, no bairro do Pacaembu, em São Paulo, e durou cerca de duas horas. A aproximação foi articulada, entre outros, pelo candidato do PT ao governo de São Paulo, Fernando Haddad.

Candidata a deputada federal em São Paulo pela Rede Sustentabilidade, Marina já havia declarado apoio a Haddad e chegou a ser convidada para ser a sua vice, mas não aceitou porque preferiu concorrer a uma vaga na Câmara.

Ao longo dos últimos meses, além de Haddad, também trabalharam para tentar fazer com que Lula e Marina se acertassem a empresária Rosângela Lyra, ex-CEO da Dior no Brasil, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), o ex-ministro Cristovam Buarque, o ex-deputado Maurício Rands e o ambientalista Pedro Ivo. 

Marina deixou o Ministério do Meio Ambiente em 2008 porque não encontrava apoio do governo para ações de combate ao desmatamento. No ano seguinte, ela trocou o PT pelo PV. Em 2010, foi candidata à Presidência da República e ficou em terceiro lugar, com quase 20% dos votos válidos.

Apesar de críticas pontuais à candidata do partido, Dilma Rousseff, que viria a ser eleita, Marina evitou naquela disputa ataques mais duros ao PT. Em 2014, Marina se lançou inicialmente como vice de Eduardo Campos (PSB), que morreu em um acidente de avião durante a campanha. A ex-ministra assumiu a cabeça da chapa e chegou a liderar as pesquisas de intenção de voto.

Dilma Rousseff e Marina Silva se cumprimentam antes do debate da TV Globo em 2010 — Foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo
Dilma Rousseff e Marina Silva se cumprimentam antes do debate da TV Globo em 2010 — Foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo

A partir daí, passou a ser o alvo principal da campanha de Dilma. A candidata petista, que disputava a reeleição, acusou Marina de ser “sustentada por banqueiros” pelo fato de a socióloga Neca Setúbal, integrante da família acionista do Banco Itaú, coordenar o seu programa de governo. O propaganda eleitoral petista na televisão ainda mostrava a comida desaparecendo de uma mesa, caso Marina fosse eleita.

Além disso, naquela campanha, Lula criticou a ex-ministra ao afirmar que Marina não “leu o programa de governo que foi feito para ela ou não aprendeu nada no período em que esteve no PT”. Ainda durante a campanha de 2014, o jornal “Folha de S. Paulo” revelou que Lula relatava em conversas reservadas que convenceu Marina a ficar no governo em 2006, quando ela apresentou pela primeira vez a intenção de deixar o ministério, ao dizer que sonhou que Deus pedia que ela permanecesse no posto.

Dias antes, a então ministra teria pedido demissão, na versão de Lula, com o argumento de que havia conversado com Deus sobre sua saída do governo. Marina ficou muito irritada com a divulgação do episódio. Questionado, na época, Lula afirmou que “só Deus poderia esclarecer” a conversa.

Já Marina relatou que ao conversar com Lula sobre o seu desejo de sair do governo em 2006 afirmou “ter pedido a Deus que confirmasse em seu coração aquele seu desejo”. Pessoas próximas consideram que Lula zombou da fé da ex-ministra, pela forma como tratou do caso. Marina ficou no governo até maio de 2008.

Antes disso, Lula e Marina mantiveram uma relação de proximidade por duas décadas. A primeira filha da ex-senadora, Moara, recebeu um nome que, em tupi-guarani, significa liberdade. Foi uma homenagem a Lula, que disputava, quando Moara nasceu, em 1989, sua primeira eleição presidencial. Marina começou na política como aliada do ambientalista Chico Mendes, assassinado em 1988.

Na disputa presidencial atual, Marina deu declarações de simpatia pela candidatura de Ciro Gomes (PDT), mas a contratação do marqueteiro João Santana, que trabalhava para Dilma em 2014, criou mal-estar. Nos últimos meses, ela se mostrou aberta a uma aproximação com Lula. O seu partido, a Rede, já havia anunciado apoio ao petista.

Lula, por sua vez, passou a fazer elogios públicos a Marina. O último deles foi em Manaus, no dia 31 de agosto, quando disse que gostava da ex-ministra, tinha respeito e admiração por ela e que os dois poderiam se encontrar a qualquer momento.

Fonte: O Globo

divulgamaragogipe

Learn More →

O que você achou dessa notícia?

%d blogueiros gostam disto: